segunda-feira, 7 de dezembro de 2015

Não se Deve Tampouco Esconder Suas Virtudes!

Gosto dos homens que são como a água transparente e que, para falar com Pope, “deixam ver as impurezas no fundo de sua corrente”. Mesmo para eles há ainda uma vaidade, sem dúvida de natureza rara e sublime: alguns dentre eles querem que só vejamos essas impurezas e que não levemos em conta a transparência da água que permite essa visão. O próprio Buda imaginou a vaidade desse reduzido número na fórmula: “Deixem que todos vejam seus pecados e escondam suas virtudes!” — Mas isso é oferecer ao mundo um espetáculo muito desagradável — é uma falta de gosto.
— Friedrich Wilhelm Nietzsche, in Morgenröte/Aurora - aforismo 21.
Ilustração de Quint Buchholz.


Nenhum comentário:

Postar um comentário